by Hellder 'Lage' de Pinho
xiba-te
by Hellder Pinho, em 22.06.11 às 22:32link do post | favorito

Era suposto ser uma sardinhada como tantas outras com fêveras, pão e bebida que chegue, recordo agora de quando lá cheguei os meus companheiros estarem gozar com o facto do grupo ao lado ter anunciado que iria celebrar uma eucaristia campal, enquanto isso a aparelhagem deles debitava as mais “pimbas” modas musicais do cantar ao desafio ao Emmanuel (cantor), que transformavam a mata num autêntico arraial de baile, enquanto isso os membros mais novos desse grupo aproveitavam para jogar á bola num espaço relvado devidamente assinalado para o efeito: «PROIBIDO JOGAR FUTEBOL». Mas eis que entretanto se fez luz, tinha o Quim Barreiros acabado de traulitar a moda do «mamar nas tetas da cabritinha» quando alguém anuncia aos altifalantes de forma espontânea que, “voilá”: «será celebrada missa dentro de 15 minutos», e todo o cenário se muda, cessaram as danças, os miúdos largaram a bola e paramentavam-se a par com o padre, e a “toque de caixa” um órgão começa a criar ambiente. Decorria a missa aparentemente dentro dos cânones da Santa (Madre) Igreja Católica Apostólica Romana quando lá para a homilia se ouvem uns: «I Love Jesus» (só faltou o: “Aimén”), e a cerimónia lá continuou cheia de entusiasmo na boa tradição do norte. O padre não terminou a eucaristia sem fazer os avisos da praxe, dos quais saliento aquele em que ele pede às pessoas do seu grupo que não se acanhem e comam à vontade porque da «feijoada aporcalhada», às bebidas tudo estava pago, graças à generosidade de cada um quando contribui no ofertório com «aquelas notas de 500» (disse ironizando). A missa só terminou depois de cantarem os parabéns á «Patrícia», e do reverendo padre ter sido lembrado (de que se tinha esquecido) que o «Rogério» também fazia anos, e logo após a bênção final foi soltado um efusivo grito de guerra «AO ATAQUE!» que abriu as hostilidades para o almoço e trouxe de volta os brados da aparelhagem sonora com um «Aperta com ela» que deu o mote à selecção musical, pela força que tinha ainda deve durar… pelo menos na cabeça de alguns.

 

O Picnic

 

 

 

 

E também fomos à praia, lá não se ouvia a musica.


teias de aranha
Shelfari: Book reviews on your book blog
pesquisar
 
blogs SAPO