by Hellder 'Lage' de Pinho
xiba-te
by Hellder Pinho, em 11.06.12 às 03:33link do post | favorito

Às duas por três acabamos sempre por chegar lá, palavra puxa palavra, a conversa azeda e, pimba, acabamos no asneirêdo, não é coisa bonita mas de facto chega a ser vulgar, quando caímos na realidade já é tarde de mais e, os impropérios que vomitamos fazem-nos agora engolir em seco e, deixam-nos decididamente envergonhados. Contudo os asneirentos ocasionais são meros amadores se compararmos com os profissionais do palavrão, esses que não conseguem construir uma frase sem colocar pelo meio uma catrefada de asneiras, homens de barba rija e mulheres de pelo na benta, que a avaliar pelo seu palavreado: na cozinha só temperam com alho, estão sempre a mandar os outros fazer viagens curtas, trazem sempre a genealogia do ramo materno na ponta da língua, são versados em ginecologia e pecuária, aliás devem pertencer a alguma linhagem estranha, uns serão aparentados de gado bovino e outros serão a prova provada de que os cães e as suas fêmeas são os melhores amigos do homem, tal é a frequência que nomeiam estas raças entre si. Ao fim e ao cabo trata-se de um linguajar estúpido que uns usam como forma de escape, outros «orgulhosamente» como forma de afirmação e, outros ainda na sua inocência sem remédio já não escapam à indecência.

 

don't love you

 

Exemplo de uma alcoviteira que quis deixar a sua marca num concorrido elevador e, sem qualquer pudor escreveu lá o seu apelido, só faltou nomear a raça e o número de telemóvel.


teias de aranha
Shelfari: Book reviews on your book blog
pesquisar
 
blogs SAPO