by Hellder 'Lage' de Pinho
xiba-te
by Hellder Pinho, em 31.03.10 às 19:43link do post | favorito

Espere o melhor,

prepare-se para o pior

e aceite o que vier.

Provérbio Chinês


xiba-te
by Hellder Pinho, em 29.03.10 às 20:03link do post | favorito

Perdoar é não tomar demasiado a sério as limitações e os defeitos,

mas tirar-lhes importância,

com bom humor,

dizendo:

Sei que tu não és assim!

Robert Spaemann



xiba-te
by Hellder Pinho, em 26.03.10 às 19:53link do post | favorito

 

 

 

 

Não, as faltas passadas não me atemorizam…


Os homens não perdoam

porque não podem restituir a pureza perdida;


Deus perdoa

porque apaga todas as manchas

e repõe a beleza primitiva na sua plenitude.

 

Charles de Foucauld


xiba-te
by Hellder Pinho, em 25.03.10 às 19:06link do post | favorito

Estamos na Quaresma tempo que os Cristãos deveriam aproveitar para reflectir, penitenciar e pedir perdão… ora não fosse o tradicional jejum de sexta-feira (tantas vezes feito/interpretado de forma incorrecta) e nem ocorreria a muitos de nós que atravessamos uma época especial, o Padre até fica mais n a moda com as vestes roxas!?

A “quarentena” que antecede a Pascoa da Ressurreição significa cada vez menos ao Cristão comum, numa sociedade onde cada vez mais conta a exteriorização os valores morais são cada vez mais relegados para segundo plano.

Cucujães, Tempo de Quaresma


xiba-te
by Hellder Pinho, em 24.03.10 às 19:36link do post | favorito

 

Black Edition

 

Tira-me o pão, se quiseres,
tira-me o ar, mas não
me tires o teu riso.

Não me tires a rosa,
a lança que desfolhas,
a água que de súbito
brota da tua alegria,
a repentina onda
de prata que em ti nasce.

A minha luta é dura e regresso
com os olhos cansados
às vezes por ver
que a terra não muda,
mas ao entrar teu riso
sobe ao céu a procurar-me
e abre-me todas
as portas da vida.

Meu amor, nos momentos
mais escuros solta
o teu riso e se de súbito
vires que o meu sangue mancha
as pedras da rua,
ri, porque o teu riso
será para as minhas mãos
como uma espada fresca.

À beira do mar, no outono,
teu riso deve erguer
sua cascata de espuma,
e na primavera , amor,
quero teu riso como
a flor que esperava,
a flor azul, a rosa
da minha pátria sonora.

Ri-te da noite,
do dia, da lua,
ri-te das ruas
tortas da ilha,
ri-te deste grosseiro
rapaz que te ama,
mas quando abro
os olhos e os fecho,
quando meus passos vão,
quando voltam meus passos,
nega-me o pão, o ar,
a luz, a primavera,
mas nunca o teu riso,
porque então morreria.
Pablo Neruda


xiba-te
by Hellder Pinho, em 23.03.10 às 19:10link do post | favorito

«Numa absolvição real, os autos do processo devem ser completamente postos de lado; desaparecem por completo do procedimento judicial. Não é apenas a acusação que é destruída, são também o processo e a sentença absolutória. Na absolvição aparente as coisas passam-se de outro modo. A única modificação que o auto sofre é ser enriquecido pela atestação de inocência pela sentença e pelas razões que determinaram esta. Mas de resto permanece no procedimento judicial. Continuam, como o ininterrupto movimento das repartições da justiça o exige, a levá-lo aos tribunais superiores, volta aos tribunais inferiores e fica, assim, a oscilar com grandes e pequenas amplitudes, com grandes e pequenas interrupções. Estes percursos são imprevisíveis. Quem vir a situação de fora poderá muitas vezes, ter a impressão de que tudo caiu no esquecimento, que o auto se perdeu e que a absolvição está completa.»

in O Processo, Franz Kafka


xiba-te
by Hellder Pinho, em 22.03.10 às 23:26link do post | favorito

 

«a absolvição aparente exige um esforço violento e temporário, ao passo que a prorrogação implica um esforço menor mas permanente.»

in O Processo, Franz Kafka


xiba-te
by Hellder Pinho, em 20.03.10 às 17:30link do post | favorito

O calendário diz-nos que a Primavera chegou, o boletim meteorológico há muito tempo que não segue estas regras, …

então que se faça Primavera nos nossos corações.  Amendoeiras em Flor

Disse à amendoeira:

Irmã, fala-me de Deus.

E a amendoeira floriu!

Poema Oriental


xiba-te
by Hellder Pinho, em 19.03.10 às 12:50link do post | favorito






Miss You,… Dady

 

See You In Heaven

(someday)


xiba-te
by Hellder Pinho, em 18.03.10 às 20:46link do post | favorito

«A prorrogação consiste em manter permanentemente o processo na sua fase inicial. Para isso é necessário que o acusado e o seu auxiliar, em especial este ultimo, se mantenham em permanente contacto com a justiça. Repito, para se alcançar uma prorrogação não é necessário um dispêndio de forças tão grande como para se obter uma absolvição aparente, mas é preciso ter-se uma atenção muito maior. Não se pode tirar os olhos do processo; é necessário ir regularmente ter com o juiz que nos interessa e, acima de tudo, procurar mantê-lo, por todos os meios, bem-disposto connosco. Se não se conhecer pessoalmente o juiz, torna-se necessário procurar juízes conhecidos para exercerem sobre ela a sua influência; no entanto, isso não significa que se deva desistir dos contactos directos. Se neste aspecto não houver qualquer negligência, pode-se ter quase a certeza absoluta de que o processo não ultrapassa a sua primeira fase. Na verdade, o processo não termina mas o réu fica quase tão ao abrigo de uma condenação como se estivesse em liberdade. A prorrogação possui, em relação á absolvição aparente a vantagem de tornar menos incerto o futuro do acusado; este fica livre do susto de uma prisão repentina e não tem de recear, precisamente na altura em que as circunstancias lhe são tão desfavoráveis, ser obrigado a tomar a seu cargo as canseiras e as aflições que a obtenção da absolvição aparente implica.»

in O Processo, Franz Kafka

 

para quem o tempo abunda e não faltam recursos arrastar é a solução

 OLIVEIRA E COSTA vai a julgamento

No caso BPN vai ser

certinho e direitinho


xiba-te
by Hellder Pinho, em 17.03.10 às 19:00link do post | favorito

A reportagem cor-de-rosa que a SIC passou ontem sobre a vida de um casal de motoristas TIR na estrada, não traduz nem de perto nem de longe as agruras que muitos milhares de camionistas portugueses passam nas estradas da Europa.

Não querendo tirar o mérito á reportagem nem desmerecendo o profissionalismo do casal motorista, o certo é que o dia-a-dia do motorista TIR é bem mais duro do que o espelhado na reportagem. A vida solitária de um camionista TIR, é um interminável fado preenchido por milhares de km’s, nem sempre nas melhores estadas, nem sempre com os camiões nas melhores condições, nem sempre encontrando pessoas com os melhores humores. As viagens quase sempre em contra relógio (a 90 á hora) tomam outros contornos quando o solitário motorista tem de se sujeitar ás condições do mercado esperando longas horas pela carga e tendo depois de recuperar no alcatrão o tempo perdido.

tags: ,

xiba-te
by Hellder Pinho, em 16.03.10 às 19:41link do post | favorito

Homem Vitruviano

 

É cada vez mais fácil vasculhar o corpo humano

Mas a mente humana continua a ser um grande mistério

 


xiba-te
by Hellder Pinho, em 15.03.10 às 19:20link do post | favorito

Castelo da Feira 2009

 

 

 

 

 

 

 

Nega-me o pão, o ar,
a luz, a primavera,
mas nunca o teu riso,
porque então morreria
.

 

 

Pablo Neruda

 


xiba-te
by Hellder Pinho, em 14.03.10 às 18:11link do post | favorito

 

Não é Justo!

 

as leis da natureza

que nós homens

a todo o custo

tentamos contrariar

são injustas

 

e a natureza madrasta

não se compadece

com o nosso

padrão de justiça

 

 

…quando se perde MAIS alguém.


xiba-te
by Hellder Pinho, em 11.03.10 às 19:30link do post | favorito

 

A Catalunha bate o dente

Arrefecimento Global

 

Perfeito vazio
Xutos & Pontapés

Aqui estou eu
Sou uma folha de papel vazia
Pequenas coisas
Pequenos pontos
Vão me mostrando o caminho

Às vezes aqui faz frio
Às vezes eu fico imóvel
Pairando no Vazio
As vezes aqui faz frio

Sei que me esperas
Não sei se vou lá chegar
Tenho coisas p'ra fazer
Tenho vidas para a acompanhar

Às vezes lá faz mais frio
Às vezes eu fico imóvel
Pairando no vazio
No perfeito vazio
Às vezes lá faz mais frio

(lá fora faz tanto frio)

Bem-vindos a minha casa
Ao meu lar mais profundo
De onde saio por vezes
Para conquistar o mundo

Às vezes tu tens mais frio
Às vezes eu fico imóvel
Pairando no vazio
No perfeito vazio
Às vezes lá faz mais frio
No teu peito vazio


xiba-te
by Hellder Pinho, em 10.03.10 às 19:29link do post | favorito

A Catalunha bate o dente

ás portas do Mediterrâneo a neve gela Barcelona

e diverte a população pouco habituada a estas andanças.

 

Já estamos em Março e o inverno ainda não acabou

o frio que se sente nesta altura é pouco habitual.

 

Vem aí o:

Arrefecimento Global

 

tags:

xiba-te
by Hellder Pinho, em 09.03.10 às 18:39link do post | favorito

Está agora a chegar ao fim o projecto mais importante das últimas décadas em Portugal, a AutoEuropa chegou a Portugal em 1991 e iniciou em 1995 a produção a produção dos MPV’s (Sharan, Alhambra e Gallaxy) desde então a fábrica produziu cerca de um milhão e quatrocentos mil automóveis destes modelos.

Durante estes últimos 15 anos a minha vida profissional (e não só) cruzou-se com o fabrico destes automóveis, eu podia contar mil e uma histórias de aventuras e outras tantas de desventuras, mas vou limitar-me a dizer que foi profundamente gratificante ter-me empenhado dia após dia na organização logística e de transportes de alguns dos fornecedores directos e indirectos da AutoEuropa.

Aos modelos que sucedem o MPV na linha de produção da AutoEuropa desejo muitas vendas e longa vida, para bem da nossa economia e já agora pelo trabalho que me continuam a dar.

tags:

xiba-te
by Hellder Pinho, em 08.03.10 às 19:26link do post | favorito

 A Mulher Mais Bonita do Mundo


 

A Mulher Mais Bonita do Mundo


estás tão bonita hoje. quando digo que nasceram 

flores novas na terra do jardim, quero dizer 

que estás bonita. 


entro na casa, entro no quarto, abro o armário, 

abro uma gaveta, abro uma caixa onde está o teu fio de ouro. 


entre os dedos, seguro o teu fino fio de ouro, como 

se tocasse a pele do teu pescoço. 


há o céu, a casa, o quarto, e tu estás dentro de mim. 


estás tão bonita hoje. 


os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios. 


estás dentro de algo que está dentro de todas as 

coisas, a minha voz nomeia-te para descrever 

a beleza. 


os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios. 


de encontro ao silêncio, dentro do mundo, 

estás tão bonita é aquilo que quero dizer. 


José Luís Peixoto, in "A Casa, a Escuridão"

 


xiba-te
by Hellder Pinho, em 05.03.10 às 20:30link do post | favorito

Se me lembro?

Da esmarroadela que dei no Quim, quando andamos á bulha por causa do cromo do Maradona.

De quando a Bela espetou com o casaco da Lena no tanque do lavadouro, por causa do beijo que lhe deu o Toni.

Do bilhete que a Russa escreveu com letra a imitar a da Berta, a dizer que o Litos andava com a Rosita.

Da frase que o Zeca do Crasto pintou no muro da escola de baixo quando a Zeza Borboleta o trocou pelo Pepe Perigoso.


E pouco passava disto, até porque:

Eu tinha vergonha que a minha mãe descobrisse

O Zeca tinha medo do cinto do pai

A Russa não suportava as reguadas da professora

A directora chamava o Pai mal surgia qualquer coisa

As faltas a vermelho eram temíveis

e até se chumbava o ano!


Bem me lembro…, destas e de muitas mais,

mas os tempos eram outros e por uma ou por outra razão o respeito prevalecia, éramos toscos, manhosos ou até inocentes, mas quase sempre responsáveis.

 

Mudam-se os tempos e são outras as verdades, os miúdos amadurecem precocemente, nós os pais nem sempre acompanhamos os filhos, a evolução do que nos rodeia, e hoje em dia tudo corre a outra velocidade:

os palavrões correm á velocidade do telemóvel,

as bocas voam á velocidade do sms,

as infidelidades chegam ao Hi5 antes dos cornos,

e por aí a diante…

No reino do digital nem tudo é virtual as ameaças não são veladas, as recalcadas mentiras tornam contornos reais

 

A liberdade que levianamente se transforma em libertinagem e a aparente impunidade de que gozam os jovens e crianças, levam a que tantas vezes sejam ultrapassados os limites, acontecimentos como

do suicídio do jovem Leonardo

que tragicamente badala na nossa cabeça

            da menina enxovalhada na net

                        e vitima de muitas outras atrocidades

            a professora a aluna e o telemóvel

                        tudo filmado e devassado on-line

além de inúmeros e incontáveis, tantos outros casos

            escondidos no silencio  do medo ou da vergonha

destroem a infância e juventude dos nossos filhos,

e hipotecam o futuro deles e de todos


Em resumo (ou não): 

falta de educação dos miúdos

desprovimento de valores sociais

desleixo da sociedade

mau acompanhamento dos pais

desinteresse dos professores

desmazelo do pessoal não docente

posso até numerar mil e uma outras razões

 

Os resultados físicos ou psicológicos 

são nódoas difíceis ou até impossíveis de limpar

trágicos e irreparáveis.

 Mas ao fim e ao cabo:

A resposta é sempre a mesma

a culpa ou a responsabilidade

pode vir a ser minha…

…porque sou PAI


xiba-te
by Hellder Pinho, em 04.03.10 às 11:15link do post | favorito

 

Furadouro Praia Norte * 03-Março-2010 * 10:19

Furadouro Praia Norte * 03-Março-2010 * 10:19

 

Dá um mergulho no mar
Dá um mergulho sem olhar p'ra trás
Dá um salto no ar
Só para veres do que és capaz

Arrisca mais uma vez
Nem que seja só por arriscar
Nunca se tem muito a perder
Dá um mergulho no mar

Há tantas coisas por fazer
E tantas por inventar
Dá um mergulho no mar

E tu vais ver
Tu vais jogar
Tu vais perder
Tu vais tentar
Mais uma vez
E tu vais ver
E tu vais rir
Tu vais ganhar

Tens pouco tempo para ser só teu
Não esperes nem deixes passar
Essa vontade que quer
Dar um mergulho no mar

Arrisca mais uma vez
Nem que seja só por arriscar
Nunca se tem muito a perder
Dá um mergulho no mar

Há tantas coisas por fazer
E tantas por inventar
Dá um mergulho no mar

E tu vais ver
Tu vais jogar
Tu vais perder
Tu vais tentar
Mais uma vez
Tu vais jogar
E tu vais ver
E tu vais gostar
Tu vais chorar
E tu vais rir
Dá um mergulho no mar

Há-de chegar o dia
Em que vais querer parar
Até chegar esse dia
Quero-te ver a saltar

E tu vais ver
Tu vais jogar
Tu vais perder
Tu vais tentar
Mais uma vez
Tu vais jogar
E tu vais ver
E tu vais gostar
Tu vais chorar
E tu vais rir
Dá um mergulho no mar
Letra: Tim * Musica: Xutos & Pontapés

teias de aranha
Shelfari: Book reviews on your book blog
pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds