by Hellder 'Lage' de Pinho
xiba-te
by Hellder Pinho, em 30.06.11 às 20:42link do post | favorito

Chuck Norris quer combater a crise,

mas o governo não aceita,

não é preciso mais ninguém para destruir o país.

 

Rica Prenda, a verdade da mentira...

o buraco orçamental não tem fundo,

até chegarmos ao "roubo" dos 50% do subsídio de Natal

muito mais nos vão tirar do bolso.

 

Chuck Norris combate a crise

xiba-te
by Hellder Pinho, em 28.06.11 às 21:09link do post | favorito

No FarmVille do Chuck Norris a vaca dá leite UHT achocolatado embalado em tetra brick!

 

 

FarmVille do Chuck Norris
tags:

xiba-te
by Hellder Pinho, em 24.06.11 às 21:26link do post | favorito

No perfil do Facebook

Chuck Norris só tem inimigos

 

No perfil do Facebook Chuck Norris só em inimigos

 

e trocou o Like por Punch.

tags:

xiba-te
by Hellder Pinho, em 22.06.11 às 22:32link do post | favorito

Era suposto ser uma sardinhada como tantas outras com fêveras, pão e bebida que chegue, recordo agora de quando lá cheguei os meus companheiros estarem gozar com o facto do grupo ao lado ter anunciado que iria celebrar uma eucaristia campal, enquanto isso a aparelhagem deles debitava as mais “pimbas” modas musicais do cantar ao desafio ao Emmanuel (cantor), que transformavam a mata num autêntico arraial de baile, enquanto isso os membros mais novos desse grupo aproveitavam para jogar á bola num espaço relvado devidamente assinalado para o efeito: «PROIBIDO JOGAR FUTEBOL». Mas eis que entretanto se fez luz, tinha o Quim Barreiros acabado de traulitar a moda do «mamar nas tetas da cabritinha» quando alguém anuncia aos altifalantes de forma espontânea que, “voilá”: «será celebrada missa dentro de 15 minutos», e todo o cenário se muda, cessaram as danças, os miúdos largaram a bola e paramentavam-se a par com o padre, e a “toque de caixa” um órgão começa a criar ambiente. Decorria a missa aparentemente dentro dos cânones da Santa (Madre) Igreja Católica Apostólica Romana quando lá para a homilia se ouvem uns: «I Love Jesus» (só faltou o: “Aimén”), e a cerimónia lá continuou cheia de entusiasmo na boa tradição do norte. O padre não terminou a eucaristia sem fazer os avisos da praxe, dos quais saliento aquele em que ele pede às pessoas do seu grupo que não se acanhem e comam à vontade porque da «feijoada aporcalhada», às bebidas tudo estava pago, graças à generosidade de cada um quando contribui no ofertório com «aquelas notas de 500» (disse ironizando). A missa só terminou depois de cantarem os parabéns á «Patrícia», e do reverendo padre ter sido lembrado (de que se tinha esquecido) que o «Rogério» também fazia anos, e logo após a bênção final foi soltado um efusivo grito de guerra «AO ATAQUE!» que abriu as hostilidades para o almoço e trouxe de volta os brados da aparelhagem sonora com um «Aperta com ela» que deu o mote à selecção musical, pela força que tinha ainda deve durar… pelo menos na cabeça de alguns.

 

O Picnic

 

 

 

 

E também fomos à praia, lá não se ouvia a musica.


xiba-te
by Hellder Pinho, em 17.06.11 às 21:33link do post | favorito

Estou em desacordo com a composição deste novo governo, deveria ter sido criado um novo ministério, aquele em que se pudessem mostrar todas aquelas despesas que todos negam mas que ninguém desconhece, as tais que transformam o orçamento de estado no prémio do Euromilhões sem ticket, e optando por alguém com experiencia em delapidar tesouro a Portugal a escolha deveria recair em Irina Sayk que podia ter sido nomeada: Ministra da Extravagância, o Cristiano Ronaldo se calhar continuava a «arreganhar a taxa» sem se aperceber…

 

Irina Sayk


xiba-te
by Hellder Pinho, em 15.06.11 às 21:35link do post | favorito

Ó Lua que vais tão alta,

Redonda como um tamanco!

Ó Maria traz cá a escada

Que eu não chego lá com o banco.

 

 

Lua Cheia


xiba-te
by Hellder Pinho, em 12.06.11 às 20:36link do post | favorito

As Sardinhas dormem?

Não,… só passam pelas brasas.


Sardines on Carbon - Sardinha na Brasa


tags:

xiba-te
by Hellder Pinho, em 10.06.11 às 17:31link do post | favorito

Longe vão os tempos em que Camões exultou a nossa gloria, longe vão os tempos em que eram grandes os nossos feitos, «ora bolas!», afinal o que se passa, já não seremos nós uma pequena grande nação, um peito ilustre lusitano, que honra canta e rejubila da sua gloria, não teremos sido nós os grandes guerreiros que venceram os deuses do medo, e os preconizadores da grande fusão de sociedades, Deus criou o homem e o português criou a mulata (e fê-la bela). Então porque continuamos acabrunhados, a lamuriarmos constantemente a nossa sorte de não termos nascido ricos, de estarmos (agora) confinados a este canto da Europa (jardim para os outros se passearem), e de todos e mais alguns empecilhos que nos empoeiram o cérebro?

 

Ontem como hoje, hoje como amanhã, o que é preciso é erguer a cabeça, e seguir em frente, demonstrar o nosso valor e vencer, é certo que não temos tecnologia como no tempo de Camões para ir conquistar outros novos mundos alem-terra, nem tão pouco vendemos aviões ou comboios de alta velocidade, mas somos lideres na alta tecnologia que empina o rabo e transforma as flácidas peles das finas senhoras Europeias em firmes e esculturais pernas assim que assentam os seus pés em qualquer sapato de salto alto pensado, desenhado, e feito por mãos Lusitanas, e porque não dizê-lo somos cobiçados pela inteligência e constantemente assediados para trabalhar alem-terra, já não somos só reconhecidos como mão de obra forte e voluntariosa. Se também nos gabam e procuram pelas qualificações, capacidade científica e imaginação, então está hora de apostarmos nós na nossa Lusitânia.

 

Crónica de 10 de Junho, dia de Portugal, Camões, e das Comunidades

 

Crónica de 10 de Junho, dia de Portugal, Camões, e das Comunidades



xiba-te
by Hellder Pinho, em 08.06.11 às 21:25link do post | favorito

à pois...

bai um gajo fazer um albantamento de guito,

e o multibanco... pimba bazio,

bou a outro e pimba... bazio,

só o terceiro é que tinha mony...

aí é que malembrei que não lebaba o cartom,

e tibe de pedir emprestadado o catrapilo dum bzinho

pra sacar as massas.

 

assalto a multibanco

xiba-te
by Hellder Pinho, em 05.06.11 às 21:42link do post | favorito

Non ou a vã gloria de mandar...!


O povo decidiu, José Sócrates (o homem que nos arrastou para a desgraça) perdeu as eleições por demérito próprio, o manhoso é também medroso e depois de ter deixado o país na penúria demitiu-se de secretário-geral do partido, e fugiu com o rabo entre as pernas nem sequer vai assumir o cargo de deputado na oposição, furtando-se assim a poder ser confrontado com os seus erros… todos merecem uma nova oportunidade, este político NÃO!

 

virar a página Portugal precisa de estimulo

 

A grande esperança do país é que esta vitória da direita seja um ponto de viragem para os portugueses, certos de que o caminho da recuperação económica será difícil, é preciso continuar a trabalhar e pensar positivo.

 

 

Portugal Precisa de Estimulo



xiba-te
by Hellder Pinho, em 03.06.11 às 21:17link do post | favorito

No estado em que a economia portuguesa está, não há soluções milagrosas, e os tempos vindouros serão tenebrosos e de grande "austeridade", a maldita palavra sempre na boca dos políticos que governaram o país nos últimos anos, que nunca foram capazes de se olhar ao espelho e ver o mal que faziam (cego não é aquele que não vê…) o ceguinho do Sócrates nunca quis ver nem ouvir o pais real, e ignorou-o até ao primeiro dia de campanha eleitoral.

 

Há mais vida alem das campanhas eleitorais, e este povo precisa de mais esperança e menos euforia, está na hora de alargar horizontes e com frontalidade abrir novas Portas ao poder, na vida fazemos escolhas e eu escolho, Por Portugal.

 

Paulo Portas, com frontalidade

O gesto que grande parte da população queria fazer ao Sócrates…

domingo acertamos contas (embora já seja tarde).

 


xiba-te
by Hellder Pinho, em 02.06.11 às 21:06link do post | favorito

Portugal vive desde a revolução dos anos 70 (no século passado) num sistema bipartidário, ora governa a esquerda ora a direita com algumas nuances de coligações de conveniência, na prática os dois partidos embora afirmem defender ideologias distintas têm ideias e discursos idênticos que apenas diferem na mascara retórica que os adorna.

As suas estruturas enraizaram no sistema estatal hábitos de compadrio político (independentemente da alcunha: boys, caciques, etc) que a partir de cargos estratégicos controlam o sistema «mungendo a têta» do erário público.

Ao longo dos tempos e por sistema, após as eleições verifica-se a rotatividade nos cargos directivos do sistema público de acordo com a cor politica eleita, além de que governo a após governo foram sendo criados por sistema novos departamentos, institutos, fundações, etc. e tal, destinados a dar mais cargos aos «compadres» do sistema.

Gordura não é formosura e o sistema arriou com o peso da estrutura administrativa e «burrucrática», a máquina do estado está a rebentar pelas costuras arrastando com ela a economia nacional que está pela hora da morte.

Está na hora de mudar de sistema, a revolução faz-se com o voto (as eleições são domingo), e o melhor caminho é regressar ás origens,

virar á direita.

o sistema dos partidos e os partidos do sistema

teias de aranha
Shelfari: Book reviews on your book blog
pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds