by Hellder 'Lage' de Pinho
xiba-te
by Hellder Pinho, em 30.09.11 às 22:02link do post | favorito

Ás portas do Oitembro temos um Outono temperado com sol qb e algumas pitadas de chuva, nas árvores a palidez dos dióspiros e o raiado tosco das romãs escondem a doçura e o gosto que há-de apaladar esta estação insossa.

 

Salada de Outono

 

 


tags: ,

xiba-te
by Hellder Pinho, em 22.09.11 às 21:25link do post | favorito

O ultimo pôr-do-sol do Verão de 2011

 O ultimo pôr-do-sol de 2011 - São Martinho da Gandara – 22 de Setembro de 2011

 

 

São Martinho da Gandara – 22 de Setembro de 2011


xiba-te
by Hellder Pinho, em 20.09.11 às 21:09link do post | favorito

os erros são pedras no caminho para a Perfeição…

a Perfeição é uma meta inatingível

para a qual devemos correr incansavelmente

todos os dias.

Vale de Cambra, vista Serra-Mar

 

 

Vale de Cambra, vista serra-mar

 

 

 


xiba-te
by Hellder Pinho, em 17.09.11 às 17:51link do post | favorito

O nascer do dia trouxe consigo o nevoeiro esse fresco companheiro das manhãs de trabalho no campo, é sábado e é preciso aproveitar, as uvas estão no ponto e o milho a passar dele,

chamem-se as primas, os tios, as namoradas e os amigos, porque esta agricultura precisa de mão de obra, por um dia (umas horas) é o regresso às origens, troca-se o ginásio pelo campo, o computador pela tesoura de poda, o aparelho de soldar pela canastra (o telemóvel não se troca por nada),

e lá vão todos feitos agricultores de fim-de-semana, o Rui e a Zeza para a vindima, o Tono e a namorada desfolhar no campo, o Carlos com o tractor acarta as dornas com as uvas para a adega cooperativa (hoje é só branco verde!), a Inês e a João apanham o milho da eira e ajudam o Manel a acama-lo no canastro,

nesta terra onde já nenhuma mulher tem nome de santa (embora alguns B.I.s possam provar o contrário) lá para o fim da tarde vão todas desfilar as pernas para dentro de um qualquer lagar de uvas tintas, fazendo as delicias das gargantas de uns e dos olhos dos mesmos, e este dia não há-de acabar sem uma bela sardinhada de tiras de barriga, broa de milho com chouriça, e Super Bock para… desenjoar do vinho verde!?

 

 

Vale de Cambra, sábado 17 de Setembro de 2011

Vale de Cambra, sábado 17 de Setembro de 2011

 

 

 

 


xiba-te
by Hellder Pinho, em 14.09.11 às 20:58link do post | favorito

A silagem está feita, a dourada bandeira do milho chama já para a desfolhada, nas ramadas o verde das folhas perde a cor e o aroma do americano tinto marca a hora: em breve teremos o ambicionado vinho doce, que se lixe a «cagamerdeira», que se dane o «pneu», venha daí uma rojoada de mata porco bem regada, que nos castanheiros os ouriços dizem que não tarda nada estamos no São Martinho.

 

São Martinho da Gândara, campo de milho

 


xiba-te
by Hellder Pinho, em 11.09.11 às 21:53link do post | favorito
Fogo de artificio - Festas do Mar - Furadouro (2011)
http://c3.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/B34070de3/9109327_bfwHl.jpeg
Fogo de artificio - Festas do Mar - Furadouro (2011)
  Fogo de artificio - Festas do Mar - Furadouro (2011)

 Fogo de artificio - Festas do Mar - Furadouro (2011)


xiba-te
by Hellder Pinho, em 09.09.11 às 23:17link do post | favorito

No verão de 1942, com a segunda grande guerra no seu auge, um grupo de oito judeus foge das perseguições nazis e esconde-se no “anexo secreto”, uma prisão voluntária onde durante dois anos lutaram pela sobrevivência, na esperança da liberdade… A pequena Anne Frank foi registando ao longo dos dias os humores e desencantos da vida doméstica da pequena comunidade, como quem se olha ao espelho teve a frieza de relatar as suas fraquezas, e perspicácia suficiente para avaliar e criticar os outros com uma ingénua maturidade surpreendente. Custa pensar em toda a crueldade que este livro encerra, a autora não (des)escreveu o seu fim, seguiu o terrível destino de sempre temeu.

 

O Diário De Anne Frank

 

 

 

“No topo do mundo, nas profundezas do desespero.”

Goethe

tags:

xiba-te
by Hellder Pinho, em 05.09.11 às 22:43link do post | favorito

Nos idos anos 80 alguns ditos «tolas incompreendidos» usavam umas esquisitas máquinas elitistas que ninguém levava a sério… vá se lá saber o porquê de uma escolha tão estranha como o nome do equipamento os: Macintosh, «corriam» um sistema cheio de não «me toques» com desenhinhos, linhinhas e corezinhas, e até aquele apêndice apontador lhe dava um ar um tanto ou quanto «amaricado». Coisa à séria era programar para código de máquina (só para homens de barba rija) e usar carradas de texto para toda e qualquer coisa, porque isto de trabalhar tem de dar trabalho e não pode ser a brincar.

 

A evolução da espécie (na altura éramos, pelo menos, australopitecos) mostrou-nos o erro de avaliação, e agora «ai» da máquina que não adopte interfaces orientadas a objectos: botões, ícones, cores, tem tudo de ser intuitivo, prático e simples de usar. Na linha da frente a mesma marca que deixou cair o elitismo (que só existiu porque somos tacanhos), simplificou o nome e democratizou o produto. A interactividade continua a ser a chave do sucesso para a Apple que não pára de nos surpreender.

 

 

Apple Macintosh

 


 


teias de aranha
Shelfari: Book reviews on your book blog
pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds