by Hellder 'Lage' de Pinho
xiba-te
by Hellder Pinho, em 31.01.12 às 21:00link do post | favorito

Até os pôr-do-sol mais harmoniosos encerram dias menos agradáveis…

 

Até os pôr-do-sol mais harmoniosos encerram dias menos agradáveis…

São Martinho da Gandara, 31 de Janeiro de 2012

 

tags:

xiba-te
by Hellder Pinho, em 28.01.12 às 18:40link do post | favorito

Bruno Mars - Just the Way You Are

(Piano Cover) ThePianoGuys

tags:

xiba-te
by Hellder Pinho, em 25.01.12 às 03:03link do post | favorito

Eu murcom me confesso, ele há coisas que tiram o apetite a qualquer um, entre uma garfada de salada e um golo de água, passa-me pelos olhos o ticket do fast-food, “CONSULTA DE MESA”… (quase me engasguei) onde está a minha FACTURA!, e a mente ferve logo com todas aquelas ideias malucas, estes gajos andam a comer-nos por lorpas, aproveitam que não está aí o controller de PDA em punho a somar a facturação das lojas, e pimba, toca a facturar pela porta do cavalo, que é feito da certificação de software, e o IVA para onde foi, homessa!, eles não vão pagar IVA disto, nem IRC, nem…, e ainda por cima paguei o mesmo, e eles a lucrar o imposto,… mau, mau,… mais uma garfada de carne, e estou que nem posso, andamos a manter pançudos, ou quê, onde andam os fiscais das finanças?
Perdi o apetite, a minha vontade era ir lá e dar-lhe o arroz, mas como sou murcom, deixei-me vencer… pela pressa de tomar café, e quedei-me só a pensar que foi só um engano… inexperiência da menina da caixa.

 

consulta de mesa - não serve de factura - economia paralela

xiba-te
by Hellder Pinho, em 22.01.12 às 12:11link do post | favorito

Sandra e Anita,


Não digam a ninguém que me emprestam tantos livros,... se não um dia destes o governo ainda coloca uma taxa de direitos de autor nas lentes dos óculos.

 

 

Obrigado,

 

x

 

direitos de autor



xiba-te
by Hellder Pinho, em 19.01.12 às 00:00link do post | favorito

José Rodrigues dos Santos voltou a uma receita de sucesso e «ressuscita» Tomás de Noronha, daí até inventar um sempre derradeiro segredo, espirrar uma conspiração, urdir o romance com mil e um detalhes das Sagradas Escrituras vai um passo muito imaginativo, e o resultado é bom, até porque nos leva a reflectir, não será tempo da nossa Igreja limpar com as teias de aranha, olhar ao espelho e começar a pensar que o tempo efectivamente passou, estamos no século xxi e devemos acompanhar a evolução da sociedade.
O romance tem por base uma interessante analise às Sagradas Escrituras, em especial ao Novo Testamento e aos Evangelhos em que o autor se deu a algumas liberdades na extrapolação dos textos Bíblicos enquadrando as citações das Escrituras por forma a dar ritmo ao texto e sentido à sua tese. Diversos estudos académicos feitos ao longo dos últimos séculos apontam inúmeros erros aos textos Bíblicos, desde simples incoerências, a erros de tradução, ou por exemplo acrescentos indevidos feitos pelos copistas, contudo, devemos sempre ter bem presente que à luz do Catolicismo acreditamos que os «autores» Sagrados tiveram inspiração divina ao escrever os textos do Antigo Testamento e ao narrar a vida terrena de Jesus, O Messias portador da boa nova. Se mesmo assim continuarem cépticos e não O quiserem tomar como Jesus Cristo filho de Deus podem sempre aproveitar a historia e retirar dela os muitos ensinamentos que ela exprime, acima de tudo: amor e perdão.
Sem procurar muito lembro facilmente algumas das últimas palavras que o nosso Irmão nos deixou: Perdoai-lhes porque não sabem o que fazem (dizem), não vá entretanto alguém argumentar também que Ele não as disse.

 

O Ultimo Segredo - José Rodrigues dos Santos

 

«”Isto é, de resto, uma constante nos Evangelhos. Os evangelistas tentaram em todas as oportunidades apresentar provas de que os diversos aspectos da vida de Jesus mais não eram do que coisas que as escrituras profetizavam sobre o Messias. Procuraram deste modo provar aos judeus que Jesus era o salvador profetizado. Se os factos não o confirmavam, inventavam-nos. Inventaram que Jesus nasceu em Belém, inventaram que a mãe o concebeu virgem, inventaram que era descendente de David.”»

in «O Último Segredo» de José Rodrigues dos Santos


xiba-te
by Hellder Pinho, em 16.01.12 às 21:14link do post | favorito

É uma daquelas recordações que nunca mais esquecem, no restaurante o meu pai chama, mais uma, vez o Garçom e pede a conta. O homem empertigou-se e tomou-se de razões, isto porque… ainda não tinha-mos almoçado!, estivemos mais de meia hora à espera de ser servidos e não obstante os pedidos, não fomos servidos. Pagamos o pão e as azeitonas, e não voltamos àquele restaurante.

Mais que uma atitude foi um ensinamento para a vida.

 

Pao e Azeitonas - Uma Lição de Vida

tags:

xiba-te
by Hellder Pinho, em 13.01.12 às 21:45link do post | favorito

Querido facebook, seria muito difícil não postar nada hoje, afinal foi um dia muito especial, e tenho mil e uma razões para não deixar de as partilhar contigo, tens de saber em primeira mão esta novidade quentinha, vou-te contar tintim por tintim, afinal nem podia se de outra maneira,… sei que posso confiar em ti e que não vais contar a mais ninguém... oh, oh que furor, que fantástico: hoje tive sorte!

 

facebook - sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

tags:

xiba-te
by Hellder Pinho, em 10.01.12 às 23:04link do post | favorito

O tempo está gelado, o manto branco que pelas manhãs cobre a erva dos lameiros não nos refresca as ideias e o solzinho que desponta logo de seguida não aquece os nossos corações, anda um clima gelado no ar, entra-nos carro adentro pelas colunas do rádio, espalha-se pela sala logo que se abre o jornal, e congela-nos o ânimo assim que vemos as notícias, alguns jornalistas só conseguem mostrar o lado frio da questão, para estes é sempre inverno e não há sol nem esperança que aqueçam este inferno, não há solução à vista… nem que chova!

nem que chova!


xiba-te
by Hellder Pinho, em 07.01.12 às 18:35link do post | favorito

Jon Schmidt - Rock meets Rachmaninoff - Piano Remix

tags:

xiba-te
by Hellder Pinho, em 04.01.12 às 22:09link do post | favorito

Um tema batido, um gringo armado em herói sabido mete-se numa alhada e acaba por se ver empurrado numa demanda, a busca de um mistério perdido, desta vez o Graal é uma antiga escritura. O ponto de partida é a invasão Napoleónica do Egipto, onde se encetou o estudo da antiga (magnífica) civilização egípcia, aparte de inúmeros factos históricos o texto está bem recheado de referências aos conceitos conhecidos das pirâmides e aos seus possíveis mistérios, grandes segredos que permanecem… secretos.

 

As Pirâmides de Napoleão - William Dietrich

As Pirâmides de Napoleão - William Dietrich

tags:

xiba-te
by Hellder Pinho, em 01.01.12 às 15:31link do post | favorito

1 de janeiro de 2012 Vale de Cambra, fogo de artificio em Sandiaes_1

 

1 de janeiro de 2012 Vale de Cambra, fogo de artificio em Sandiaes_2

1 de janeiro de 2012,

Vale de Cambra, fogo de artificio em Sandiães


teias de aranha
Shelfari: Book reviews on your book blog
pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds