by Hellder 'Lage' de Pinho
xiba-te
by Hellder Pinho, em 27.10.12 às 16:46link do post | favorito

fruto proibido:

é tudo aquilo que tu queres mas não deves querer


fruto proibido - fruto prohibido, a romã não é!

 


 fruto proibido – fruto prohibido

(a romã não é!)


xiba-te
by Hellder Pinho, em 21.10.12 às 19:41link do post | favorito

Um dia quando andares a todo o gás em busca do almejado objectivo ambicionado, pára, olha para trás, e vê bem tudo o que te escapou...


quando o sonho já não comanda a vida

Actualmente não admitimos viajar a menos que a velocidade da luz, o imediatismo assim o dita, pelo caminho não apreciamos aquilo que de mais belo há: a vida.


xiba-te
by Hellder Pinho, em 15.10.12 às 20:42link do post | favorito

Em tempos difíceis como os que vivemos por vezes não é fácil encontrarmos razões para estar felizes, e a tristeza cava-se no rosto daqueles a quem a vida madrasta não sorri, contudo o humor é umas das melhores formas de libertação e é certamente a par com a fé e a esperança uma das melhores alavancas que poderemos encontrar na adversidade.

Não rias sozinho, faz sorrir também os outros.

 

uma noite vou distribuir sorrisos por quem já não ri há muito tempo, hoje é a noite - frases NICOLA


uma noite

vou distribuir sorrisos

por quem já não ri

há muito tempo,

hoje é a noite

frases NICOLA

 


xiba-te
by Hellder Pinho, em 09.10.12 às 21:27link do post | favorito

Zezé um menino de cinco anos vive entre as (grandes) aventuras da idade, e as desventuras da família, o pai desempregado, já devem 8 meses de renda e a luz foi cortada por falta de pagamento, mudam à pressa de casa para não ficarem na rua, a mãe trabalha dia e noite para sustentar as sete bocas da família, o pai continua à procura de trabalho mas é "velho" para os empregos e novo para se aposentar, e...

 

Não, este não é mais um documentário social do telejornal, este retrato foi descrito há quase 50 anos pelo escritor brasileiro José Mauro de Vasconcelos no seu romance autobiográfico "O Meu Pé De Laranja Lima".

Qualquer semelhança com a actual realidade portuguesa é uma triste coincidência.

 

O Meu Pé de Laranja Lima - José Mauro de Vasconselos

O Meu Pé de Laranja Lima - José Mauro de Vasconselos


xiba-te
by Hellder Pinho, em 03.10.12 às 15:00link do post | favorito

A nossa sociedade acordou do pesadelo, afinal o sonho dos últimos anos não era mais que um balão de oxigénio que enchia os bolsos dos corruptos, e animava a populaça enquanto se faziam as obras, estes compatriotas sem escrúpulos enchiam os bolsos à custa da extorsão do erário publico, compactuados com os políticos que nós elegemos, é bom não esquecer fomos nós que os elegemos, não foi só o nosso vizinho, nem mesmo nos podemos demarcar só porque: não votamos, se não votaste manifestas-te a tua posição, mas aceitas-te que outro decidisse por ti.

Vivemos anos a fio numa boda a expensas de refinadíssimas instituições de crédito internacional, mas eis que sem darmos por isso já comemos tudo e a festa chegou ao fim, o organizador achou por bem fazer uma reflexão sabática e deu à sola enquanto era tempo, a raia miúda andava a apanhar as canas quando apareceram os cobradores do fraque, e fomos todos lavar pratos. A sociedade acordou agora do pesadelo, finalmente tomou consciência de que o festim acabou!, afinal o sonho dos últimos anos não era mais que um balão de oxigénio que animava a populaça enquanto se faziam obras, enchia os bolsos dos corruptos, compatriotas sem escrúpulos que encheram os bolsos à custa da extorsão do erário publico, compactuados com políticos que nós elegemos, é bom não esquecer fomos nós que os elegemos, não foi só o nosso vizinho, nem mesmo nos podemos demarcar só porque votamos noutro, ou não votamos, se não votaste manifestas-te a tua posição, mas aceitas-te que outro decidisse por ti!

Eis senão que chegaram os burrocráticos olharam para os contratos e disseram que isto era tal e qual a conta da Tv Cabo, e a promoção dos primeiros tempos tinha acabado, agora é a doer, por isso: "vamos penhorar-te o salário.”!

Fomos para a rua: reclamamos, gritamos, e esperneamos, impávido e sereno o Cavaleiro do Cavalo Negro nem tuge nem muge… lança-nos uma praga:

"PAGAS! e não bufas!"


portugal, sem cor, bandeira nacional


teias de aranha
Shelfari: Book reviews on your book blog
pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds