by Hellder 'Lage' de Pinho
xiba-te
by Hellder Pinho, em 16.12.11 às 05:59link do post | favorito

Chegou a noite dos jantares de Natal, ou melhor "jantaradas", não há restaurante que se preze que não apresente as suas mais sumptuosas ementas com requintadíssimos menus cheios de floreados que não servem para mais do que chular os mais incautos: aperitivos, dois ou três pratos principais (carne, peixe e bacalhau), sobremesas e copos, muitos copos para esvaziar.

A rua inundada de carros mal estacionados marca o local, a desbunda começa ali, eles com fatos impregnados de um refinado perfume a naftalina e gravatas de nó esgalhado, elas quase a tombar dos saltos altos e “altas” mini-minissaias que até poderiam provocar qualquer coisa mas na realidade não ousam nada. Abrem-se as hostilidades com os primeiros drinks a acompanhar as amostras grátis de rissóis e pasteis de arroz que fazem de entradas, «couvert, mé bian siur! que m’ensinou o meu primo imigrante na França!».

Embala-se a seguir no prato principal a tradicional troca de prendas do amigo (in)visível, o exotismo das oferendas serve de mote a mais cargas etílicas, para aquecer os ânimos e amorfar um manjar onde se investiu “couro e cabelo”, e onde todas as mentes entraram cheias de coragem e com o mesmo propósito: «É hoje, e de hoje não escapas, vais ver!»

Empanturrados e encharcados, tanto que até já se dizem algumas verdades azedas, chega-se aos doces da sobremesa com a barriga cheia e quase com o “caldo entornado”. A noite corre, a amena cavaqueira abranda, os assuntos esgotam-se os argumentos esvaziaram-se, e esfumam-se as expectativas, empurra-se a conta com café e brandy (fica mal pedir uma “borradinha”).

Prepara-se o segundo round, a visita guiada a um estabelecimento nocturno da especialidade, dependendo do ímpeto pode até ser o mato mais próximo, para aliviar os excessos, claro! O ar fresco aviva a consciência: «ai se m’aparecem os cucos…», e aqui desistem os primeiros, quase todos!

Descrever o que sucede na fase seguinte da noite é um privilégio de alguns poucos, por isso passo a explicar, embora não haja muito a dizer, as cargas etílicas passam a ser mais fortes e intercaladas com bebidas de cápsula, volta a conversa, fala-se muito, fala-se demais, “abana-se o capacete”, e… «ora bolas não me lembro do resto».

Atingir a ultima fase da noite é um feito quase lendário onde se desconhecem os rostos dos intervenientes, pelo que por via das dúvidas se desconfia sempre daqueles que se gabam de o terem alcançado, diz-se que eles próprios contam histórias confusas sem se perceber exactamente o que se passou, apenas com uma certeza acabam (como todos os outros) a acordar no sítio do costume com a ressaca do ano.

Esta é uma noite de Natal em que nada lembra o espírito da época, tudo nesta noite é uma aparência aparente em que nem tudo é o que parece.

 

Um prato de bacalhau com espinhas.


xiba-te
by Hellder Pinho, em 26.10.11 às 20:46link do post | favorito

Chegou o Outono: troveja, relampeja, chove, torrencialmente, um vento horrível, parece o Inverno este Inferno: estamos em crise, aumenta o custo de vida, mais impostos, só se fala na dívida pública: "paga Zé!"... «raios e coriscos» que vem a ser isto, CHEGA! Toca em frente, «bota prá estrada» porque é preciso erguer este país no meio desta tempestade, «bora lá» bater punho, remar contra a corrente, pedalar, pensar positivo!

Agora:

deixem-me mas é recordar coisas boas!

e «façam o favor de ser felizes!»

façam o favor de ser felizes, pôr-do-sol, Furadouro 22 de oitembro de 2011

façam o favor de ser felizes,

pôr-do-sol, Furadouro 22 de oitembro de 2011


xiba-te
by Hellder Pinho, em 06.10.11 às 20:56link do post | favorito

Passada agitação do início das aulas, os “miúdos” começam agora a ganhar ritmo, e novas modas, a primeira a ser notada é a fala (diálogos) que ao longo dos tempos tem sofrido uma evolução… negativa.

 

TIPO, aquelas CENAS que nós não pescamos NÉPIA, é comum sermos considerados uns TECLA 3 (def) porque não entendemos as CENAS que eles dizem, quase que é preciso UM DESENHO, OH DAHHA! (se é que se escreve assim). Outras vezes percebemos tudo logo, OKAPA! Se não percebemos TP (temos pena)! Se assim é YEAP! Este desacordo ortográfico “é uma cena que a mim não me assiste” e PONTO.

 

A pior parte vem a seguir é que escrevem tal como verbalizam, mal… TÁ!

 

Desacordo Ortográfico

imagem meramente ilustratiiva... LOL


xiba-te
by Hellder Pinho, em 28.08.11 às 20:23link do post | favorito

Miguel - Prós e Contras (20-06-2011) on Vimeo.

 

tags:

xiba-te
by Hellder Pinho, em 14.08.11 às 13:10link do post | favorito

Um pequeno passeio por Vilamoura e até parece que despajaram para ali o baú dos carros do meu filho... Ferrari, Lanborguini, Bentley, Aston Martin, Maserati, Rols Royce, por aqui o carro do povo parece ser o Porsche... ás paletes e tudo de matricula nacional, "este país é um colosso" e anda tudo grosso...

 

Ferrari, Vilamoura

a crise não é (igual) para todos!

Lamborgini, Vilamoura


xiba-te
by Hellder Pinho, em 02.08.11 às 19:17link do post | favorito

Continuando as tristes noticias da TV de chuva e “mau tempo” de verão, venho vos pedir para continuarem a não ir à praia, é bom haver tantos lugares de estacionamento livres, tanto espaço para estender a toalha, e assim até é mais fácil controlar os miúdos que com um mar calmo como este e uma temperatura da água espectacular não se cansam de brincar… por isso vão para os shoppings ou para a Viagem Medieval, durmam até mais tarde e não saiam de casa… porque não sabem o que perdem na praia.

 

Furadouro, 01 de Agosto de 2011

Praia do Furadoro, 1 de Agosto de 2011

 

Praia da Barra, 2 de Agosto de 2011

Praia da Barra, 2 de Agosto de 2011


xiba-te
by Hellder Pinho, em 30.06.11 às 20:42link do post | favorito

Chuck Norris quer combater a crise,

mas o governo não aceita,

não é preciso mais ninguém para destruir o país.

 

Rica Prenda, a verdade da mentira...

o buraco orçamental não tem fundo,

até chegarmos ao "roubo" dos 50% do subsídio de Natal

muito mais nos vão tirar do bolso.

 

Chuck Norris combate a crise

xiba-te
by Hellder Pinho, em 22.06.11 às 22:32link do post | favorito

Era suposto ser uma sardinhada como tantas outras com fêveras, pão e bebida que chegue, recordo agora de quando lá cheguei os meus companheiros estarem gozar com o facto do grupo ao lado ter anunciado que iria celebrar uma eucaristia campal, enquanto isso a aparelhagem deles debitava as mais “pimbas” modas musicais do cantar ao desafio ao Emmanuel (cantor), que transformavam a mata num autêntico arraial de baile, enquanto isso os membros mais novos desse grupo aproveitavam para jogar á bola num espaço relvado devidamente assinalado para o efeito: «PROIBIDO JOGAR FUTEBOL». Mas eis que entretanto se fez luz, tinha o Quim Barreiros acabado de traulitar a moda do «mamar nas tetas da cabritinha» quando alguém anuncia aos altifalantes de forma espontânea que, “voilá”: «será celebrada missa dentro de 15 minutos», e todo o cenário se muda, cessaram as danças, os miúdos largaram a bola e paramentavam-se a par com o padre, e a “toque de caixa” um órgão começa a criar ambiente. Decorria a missa aparentemente dentro dos cânones da Santa (Madre) Igreja Católica Apostólica Romana quando lá para a homilia se ouvem uns: «I Love Jesus» (só faltou o: “Aimén”), e a cerimónia lá continuou cheia de entusiasmo na boa tradição do norte. O padre não terminou a eucaristia sem fazer os avisos da praxe, dos quais saliento aquele em que ele pede às pessoas do seu grupo que não se acanhem e comam à vontade porque da «feijoada aporcalhada», às bebidas tudo estava pago, graças à generosidade de cada um quando contribui no ofertório com «aquelas notas de 500» (disse ironizando). A missa só terminou depois de cantarem os parabéns á «Patrícia», e do reverendo padre ter sido lembrado (de que se tinha esquecido) que o «Rogério» também fazia anos, e logo após a bênção final foi soltado um efusivo grito de guerra «AO ATAQUE!» que abriu as hostilidades para o almoço e trouxe de volta os brados da aparelhagem sonora com um «Aperta com ela» que deu o mote à selecção musical, pela força que tinha ainda deve durar… pelo menos na cabeça de alguns.

 

O Picnic

 

 

 

 

E também fomos à praia, lá não se ouvia a musica.


xiba-te
by Hellder Pinho, em 10.06.11 às 17:31link do post | favorito

Longe vão os tempos em que Camões exultou a nossa gloria, longe vão os tempos em que eram grandes os nossos feitos, «ora bolas!», afinal o que se passa, já não seremos nós uma pequena grande nação, um peito ilustre lusitano, que honra canta e rejubila da sua gloria, não teremos sido nós os grandes guerreiros que venceram os deuses do medo, e os preconizadores da grande fusão de sociedades, Deus criou o homem e o português criou a mulata (e fê-la bela). Então porque continuamos acabrunhados, a lamuriarmos constantemente a nossa sorte de não termos nascido ricos, de estarmos (agora) confinados a este canto da Europa (jardim para os outros se passearem), e de todos e mais alguns empecilhos que nos empoeiram o cérebro?

 

Ontem como hoje, hoje como amanhã, o que é preciso é erguer a cabeça, e seguir em frente, demonstrar o nosso valor e vencer, é certo que não temos tecnologia como no tempo de Camões para ir conquistar outros novos mundos alem-terra, nem tão pouco vendemos aviões ou comboios de alta velocidade, mas somos lideres na alta tecnologia que empina o rabo e transforma as flácidas peles das finas senhoras Europeias em firmes e esculturais pernas assim que assentam os seus pés em qualquer sapato de salto alto pensado, desenhado, e feito por mãos Lusitanas, e porque não dizê-lo somos cobiçados pela inteligência e constantemente assediados para trabalhar alem-terra, já não somos só reconhecidos como mão de obra forte e voluntariosa. Se também nos gabam e procuram pelas qualificações, capacidade científica e imaginação, então está hora de apostarmos nós na nossa Lusitânia.

 

Crónica de 10 de Junho, dia de Portugal, Camões, e das Comunidades

 

Crónica de 10 de Junho, dia de Portugal, Camões, e das Comunidades



xiba-te
by Hellder Pinho, em 08.06.11 às 21:25link do post | favorito

à pois...

bai um gajo fazer um albantamento de guito,

e o multibanco... pimba bazio,

bou a outro e pimba... bazio,

só o terceiro é que tinha mony...

aí é que malembrei que não lebaba o cartom,

e tibe de pedir emprestadado o catrapilo dum bzinho

pra sacar as massas.

 

assalto a multibanco

xiba-te
by Hellder Pinho, em 11.05.11 às 21:07link do post | favorito

Póstroika...

 

 

o Estado do Estado

 

 

 


xiba-te
by Hellder Pinho, em 25.04.11 às 11:51link do post | favorito

Liberdade não significa poder fazer tudo o que nos der na «real gana».

 

Cravados á Liverdade os Cravos deste 25 de Abril

 

A liberdade conquistada no 25 de Abril de 1974

deu lugar em alguns sectores políticos a uma libertinagem doentia

e transformou a máquina do estado num enorme monstro

que arrasta a economia do nosso país para o precipício,

estamos agora CRAVADOS ao bicho papão do imperial FMI

que há-de DITAR o nosso destino

que nós livremente aceitaremos... submissamente.

 


xiba-te
by Hellder Pinho, em 22.04.11 às 13:25link do post | favorito

Na Ultima Ceia o Senhor aparece rodeado dos seus ministros, um deles anda a atraiçoá-lo (outros talvez já não o sigam com a mesma fervorosidade) sem saída à vista entrega-o aos Pilatos do FMI, esta historia não tem final feliz, o Senhor Portugal não vai ressuscitar ao terceiro dia. Numa lenta agonia seguir-se-ão longos dias negros de Sexta-feira Santa de uma lenta e crucificada angústia perpetrada pelos algozes políticos que deixaram a nação na penúria.

 

calvario

 

* Sexta-feira Santa


xiba-te
by Hellder Pinho, em 20.04.11 às 23:47link do post | favorito

A nossa Quaresma ainda está para chegar, os jejuns que o FMI nos vai impor serão rigorosos, mas não o podemos culpar por isso, é chegada a altura de fazermos a nossa Páscoa, Ressuscitarmos o nosso espírito lutador e derrubarmos os Pilatos que estão a levar a nossa economia ao Calvário.

 

a nossa Quaresma, o nosso Calvário


xiba-te
by Hellder Pinho, em 13.04.11 às 21:16link do post | favorito

É algo que me enoja, tenho tentado sempre contornar este assunto ou aborda-lo levemente (usando a sátira) mas é muito sério, é um facto, muitos funcionários públicos demonstram fraca apetência pelo trabalho, trabalham com desleixo, muita displicência, e inúmeras vezes o que mais ordena é «a lei do menor esforço», as suas chefias não (devem ser) são melhores porque o permitem, «tão ladrão é o que rouba como o que fica á porta» e quem paga é o Tuga, escusamos de «tapar o sol com uma peneira» e pensar que não é bem assim, só nos estamos a enganar a nós próprios, a crise até pode ter muitos culpados mas este, o (des)funcionalismo público, é seguramente um dos grandes, custa vê-los em greves sucessivas em que reclamam tudo e mais alguma coisa, e depois quando vamos ás repartições publicas ou quando os confrontamos noutro qualquer lugar, temos sempre a mesma percepção é tudo sempre muito difícil, seja num guichet, atrás de um computador, de estetoscopio nos ombros, ou manipulando uma qualquer alfaia são inumeras vezes de um profissionalismo duvidoso que levaria qualquer (verdadeiro) patrão a mostrar ao empregado a porta da Rua.

 

Funcionario Publico

 

 

* claro que nem todos são assim,...



xiba-te
by Hellder Pinho, em 06.04.11 às 21:18link do post | favorito

A teoria do valha-nos Deus e do Deus nos acuda,

começa quando nos lembramos de Santa Barbara porque troveja,

nas horas de aflição recorremos a todos os santinhos…

 

 

Socrates...

 

 

 

A (ir)responsabilidade

daqueles que elegemos para nos (des)governar,

hipotecou o futuro dos nossos filhos,

o nosso já estava há muito!

 


xiba-te
by Hellder Pinho, em 29.03.11 às 20:50link do post | favorito

No serviço de urgência, depois de observar o raio-x, o médico dirige-se ao paciente e informa:

- felizmente, não partiu nada, o osso braço escapou intacto…

O paciente traumatizado estava inconformado:

- o senhor doutor está enganado… só pode… olha-m’esta! não partiu nada! Não pode ser!

raio x osso do braço

 



xiba-te
by Hellder Pinho, em 26.03.11 às 19:51link do post | favorito

Entre mães:

- preciso mesmo de um bom pediatra para o meu filho!?

- vai ao da clínica, é muito bom!

- ai não… esse não, ele não receita antibióticos.

 

Antibioticos



xiba-te
by Hellder Pinho, em 12.03.11 às 23:29link do post | favorito

As manifestações de hoje superaram as expectativas,

a população mobilizou-se e mostrou o seu descontentamento,

e agora?

 

Voltamos ao trabalho…,

entretanto o salário acaba e o mês continua.

 

Geração à Rasca

 

 

 



xiba-te
by Hellder Pinho, em 24.02.11 às 21:22link do post | favorito

Sai Prá Rua

 

Tempo que perdes sem decidir
Tempo que gastas sem arriscar
Espaço que te foge das mãos
As coisas que deixas passar

 

Sai prá rua, sai prá rua

 

Deixa o rebanho, pára de pastar
Esquece o conforto do lar

 

Tu sai prá rua
Tu sai prá rua

 

Só tu podes chegar a sentir
Qual a boa solução
Mas uma coisa é mais que certa
Tens de tomar posição

 

Sai prá rua, sai prá rua

 

Deixa o rebanho, pára de pastar
Esquece o conforto do lar

 

Tu sai prá rua
Tu sai prá rua

letra: Xutos & Pontapés
música: Xutos & Pontapés

 

 

 

 

 Não sejas PARVO, sai prá rua


teias de aranha
pesquisar
 
blogs SAPO